Festa do Doze (12) de Outubro

Festa do Doze (12) de Outubro, Minas Gerais, Brasil.
Ouro PretoTurismo

Compartilhar




A festa do Doze 12 de Outubro é tradicional entre as Repúblicas de Ouro Preto MG.

História da festa do Doze de Outubro de Ouro Preto que reúne antigos e atuais moradores das repúblicas.

A festa do Doze (12) de Outubro  é uma festa bastante conhecida. A festa do Doze (12) de Outubro é a data em que se comemora o aniversário da Escola de Minas da UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO.

Até alguns anos atrás, nesta data, os ex – alunos retornavam a Ouro Preto afim de participarem deste evento que começava com um baile de carnaval na sede do CAEM (Centro Acadêmico da Escola De Minas) e no dia seguinte era realizado o baile de gala.

O dia 12 de outubro, lembrado em todo o Brasil por ser a data em que se comemora o Dia das Crianças e se homenageia Nossa Senhora Aparecida, a padroeira do país, tem um significado diferente e especial na cidade de Ouro Preto: é o aniversário de fundação da Escola de Minas e o dia oficial eleito para que as repúblicas se confraternizem, trazendo ex-alunos para a cidade.

A medida que os anos foram passando, as festas foram ficando por conta das repúblicas que além de receber os seus ex-alunos, recebem também amigos e turistas que vem de “todos os lugares possíveis”.

Com o dinheiro arrecadado dos Ex-alunos a república se encarrega de organizar a recepção dos seus ex-alunos e amigos. O que vale mesmo, é a reunião de todos para comemorar alegremente esta data tão importante de confraternização e amizade.

Alguns comparam a festa do doze (12) a um carnaval fora de época nas repúblicas onde a cidade recebe um número enorme de turistas e ex-alunos que retornam para encontrar velhos amigos.

Além da festa oficial, existe ainda uma outra festa. Ou melhor: outras. No mesmo dia 12 de outubro, cada república promove a sua comemoração com os moradores e ex-moradores.

Algumas fazem churrascos, outras aproveitam para reunir a turma e rever fotos antigas. Tudo sempre embalado ao som de músicas animadas.

A comemoração institucional é feita com toda a pompa.

A Escola de Minas homenageia seus ex-alunos que fazem 25, 50 e 60 anos de formados em uma sessão solene com entrega de uma comenda, na qual também homenageia o ex-aluno destaque do ano.

Mas o 12 de outubro não é a única data de festa oficial no calendário das repúblicas de Ouro Preto.

As mais novas elegeram o 21 de abril para fazer a confraternização, por ser a data de fundação de muitas delas como a Peripatus, Casanova e a Eclipse, por exemplo.

Além disso, como a data é um feriado – Dia de Tiradentes, o mártir da Inconfidência Mineira – os universitários têm mais um motivo para aproveitar a festa sem a preocupação de perder algum compromisso na universidade.

Escola de Minas

Em 1876, uma outra instituição surgia em Ouro Preto: A Escola de Minas. Ela foi oficialmente inaugurada em 12 de outubro de 1876, a pedido do imperador Dom Pedro II.

Seu fundador, o cientista Claude Henri Gorceix, descrevia a cidade de Ouro Preto como um terreno no qual se podia acompanhar a série quase completa das rochas metamórficas que constituem grande parte do território brasileiro.

Além disso, dizia que todos os arredores da cidade se prestavam a excursões mineralógicas proveitosas e interessantes.

Repúblicas

Os estudantes da UFOP têm à sua disposição uma forma de moradia peculiar, um modelo que não é visto em nenhum outro lugar do Brasil.

A grande maioria das repúblicas “federais” (REFOP) (Casas Públicas, pertencentes a União) e particulares (casas privadas) da cidade de Ouro Preto estabelecem um sistema de seleção de novos moradores conhecido como “Batalha”.

A “Batalha de vaga” consiste em um período de avaliação pelo qual os candidatos passam para comprovar sua responsabilidade com a república.

Essa batalha é crucial para continuidade da casa e união dos moradores.

Com isso, os estudantes conseguem manter esse patrimônio histórico com seu trabalho organizando eventos para arrecadação de fundos que são integralmente investidos em manutenção e melhorias das repúblicas para que futuros alunos possam usufruir.

Além disso, ajudam muitas vezes também com trabalho em pinturas e reformas. Isso é necessário, pois as casas não têm as características de um alojamento e a Universidade teria um gasto muito alto para mantê-las, perdendo poder de investimento na qualidade de ensino.

Por causa disso, os moradores acordaram com a universidade a autonomia de escolha de moradores dando em contrapartida manutenção impecável dos imóveis pertencentes a ela.

Os critérios usados na batalha são principalmente responsabilidade, honestidade e companheirismo.

Esse é uma das formas mais democráticas de assistência estudantil, pois basta que o aluno seja honesto, saiba respeitar a diferença entre seus pares e esteja disposto a manter a casa para que possa se beneficiar.

Como em toda sociedade, as repúblicas mantém uma hierarquia por ordem de chegada à casa.

A hierarquia serve principalmente para melhor organização do grupo.

Algumas repúblicas são centenárias e o sistema provou-se tão eficaz que ex-alunos com 40, 50, e até 60 anos de formados ainda voltam para rever amigos e a casa em que moraram durante o tempo de universidade, sempre trazendo sua família para ver onde fez-se sua história.

Os encontros de ex-alunos acontecem principalmente no 12 de Outubro, aniversário da Escola de Minas e no 21 de Abril, data de fundação de várias repúblicas, principalmente as concentradas no Campus do Morro do Cruzeiro.

Caso deseje mais informações fale conosco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

shares